22.10.17

Sem legendas



Na noite da última sexta-feira assistimos no Projeto Raros para comemorar o centenário da revolução russa um raro filme de horror da Bielorrússia soviética: "A caça selvagem do rei Stakh". A história de um pesquisador de lendas folclóricas em viagem pela Bielorrússia do século XIX que se depara com a maldição de uma família aristocrática local.


Quem o assiste descobre as razões dele ser tão pouco visto. Para resumir, o filme é confuso e não sabe para onde ir.


A melhor cena desta história de horror da Bielorrússia soviética.


O melhor personagem.

Tem a versão de 105 minutos completa e sem legendas no YouTube, assim como vários filmes da produtora Belarusfilm.



"A caça selvagem do rei Stakh" é literalmente um filme sem legendas.



A caça selvagem do rei Stakh  (Dikaya okhota korolya Stakha). União Soviética, 1979. Direção de Valeri Rubinchik. ComBoris Plotnikov, Elena Dimitrova, Igor Klass. Colorido. Duração: 105 minutos.

9.10.17

Da caixa de comentários do meu blog


Agradecimento

Agradeço aos meus seis seguidores pela marca de 50.000 visualizações do blog de desenhos. #desenhosagranel

14.9.17

Quadro premonitório



Agora que me dei conta que a Beyoncé grávida lembra um quadro que fiz na faculdade.

PS. As diferenças são meros detalhes.

28.7.17

4 Mulheres, 1 Centenário



  


  









4 Mulheres, 1 Centenário
Alice Soares, Alice Brueggemann, Cristina Balbão e Leda Flores

curadoria: Blanca Brites e Paulo Gomes 

Pinacoteca Ruben Berta - Rua Duque de Caxias, 973
 Centro Histórico - Porto Alegre – Rio Grande do Sul
 abertura: 1º de junho, quinta-feira, 19h 
 visitação: de 2 jun 2016 a 1º set 2017 | seg a sex, das 10h às 18h

14.7.17

À venda na esquina da Ipiranga com a Praia de Belas

O boneco Werner Schünemann e a miniatura da caminhonete Pajero são vendidos separadamente.

12.7.17

Trinta anos desta foto


Meu momento inesquecível com o Grêmio






É uma tarefa difícil escolher um só momento dentre os vários momentos que tive com o Grêmio. Elegi um jogo, mas não um qualquer. Um clássico.

O meu primeiro Grenal decisivo!

Dezenove de julho de 1987. Estádio Olímpico. Decisão do Campeonato Gaúcho. Grêmio versus Internacional. Grenal 289. Nosso time comandado pelo técnico Luiz Felipe na casamata e por Mazaropi, China, Valdo e Lima no campo. Meu primeiro Grenal decisivo no estádio e, como um atleta exemplar da Escolinha do Grêmio, iria fardado dos pés à cabeça. Reforçaria o time, mas não para jogar. Seria uma dentre várias crianças que acompanhariam o time na entrada em campo. Diferente do cerimonial de hoje em que a equipe entra
em campo caminhando, quase se arrastando, naquela época o time invadia o campo numa corrida triunfal rumo ao centro do gramado para saudar a torcida que respondia com igual vibração.

Mas não entrei em campo com o time, meu pai achou que com o estádio cheio teria confusão, então fiquei com ele o tempo todo no lugar de sempre na social, na altura do banco de reservas do Grêmio, bem perto da copa. E o jogo começou eletrizante, com o Grêmio amassando o Internacional. Em 15 minutos de jogo já estava 3 a 0 Grêmio. Dois gols do Lima e um do Jorge Veras. Ainda no primeiro tempo o Inter descontou de pênalti depois que o Astengo colocou a mão na bola - penalidade idiota. Do segundo tempo, não lembro muita coisa, o Inter marcou seu segundo gol e sofremos alguma pressão, mas ganhamos o jogo e o campeonato. Emocionante para quem via no campo a sua primeira decisão.

Algumas semanas depois saiu a edição dos campeões da revista Placar e incluindo a foto do Grêmio campeão de 1987. E eu estava com o time. Eu estava no pôster???  Não era o time do Grenal, mas do jogo da semana anterior contra o Caxias! Com o Henrique na zaga e o Astengo, da penalidade idiota, no destaque. Fui mascote no meu primeiro Grenal decisivo mesmo sem ter entrado em campo.

Minha avó, que estava excursionando pelo Nordeste, encontrou a revista e apontava para as amigas da viagem: "Estão vendo o menino com a bola? É o meu neto, o meu neto com o Grêmio campeão!". Ela ganhou a revista-pôster do Grêmio emoldurada e a pendurou na parede de sua sala. Contava a todos com orgulho: "Sabem quem é aquele menino com a bola? Meu neto". Engraçado que os anos passaram e ela sempre fez isso. Sempre. Até 2007, ano de seu falecimento.

Dedico meu momento inesquecível com o Grêmio à dona Lêda, a pessoa mais gremista que conheci.



Ao centro, o menino com a bola, e no destaque, Astengo. 


Texto publicado originalmente no Boteco das Gurias.

3.7.17

30.6.17

Bill Plympton no Fantaspoa

Sessão de "Revengeance" em 02/06/2017
na sala de cinema do Santander Cultural,
festival Fantaspoa.






Apesar da sessão comentada pelo diretor Bill Plympton,
a presença do público foi diminuta.




Após a exibição do filme teve sessão de autógrafos.



Não só os filmes como também os desenhos originais
das animações estavam à venda!






Claro que comprei um DVD autografado do Michael Jordan da animação.


13.6.17

Fantaspoa no Capitólio




Teve filme neozelandês no Capitólio.


"Esta pedra gigante de papel machê é realmente muito..." ruim.


 Dedé Santana estava no programa do Fantaspoa.

30.4.17

Prêmio do Bolão do Oscar

Com dois meses de atraso, mas valeu!

23.2.17

4.2.17

Um pedido